LOGOANIMEFINE.gif

DOSSIÊ COVID NO TRABALHO

logo grande 300 pb.jpg

Mártir do descaso

Renato Soares
técnico de manutenção  (petroleiro), 58 anos

faleceu em 4 de junho de 2021 

Mecânico na plataforma de Merluza, na Bacia de Santos, no Litoral Sul de São Paulo, Renato Soares estava prestes a se aposentar. Ele deveria iniciar uma escala de trabalho de 15 dias, mas na hora do embarque, depois de passar pelo confinamento sanitário no hotel, soube que a direção havia ampliado a escala para 21 dias. Com teste negativo para COVID-19, Renato embarcou no dia 25 de abril. Três dias depois houve o primeiro voo sanitário na plataforma, para retirada de três trabalhadores com sintomas da doença. A empresa faria outros dois voos sanitários até o desembarque de Renato, no dia 16 de maio: um no dia 3 de maio, com três colegas sintomáticos, e outro no dia 11 de maio, com outros dois trabalhadores com suspeita da doença. Renato começou a se sentir doente três dias depois de desembarcar e morreu dia 4 de junho, depois de cinco dias internado.

Os diretores do Sindicato dos Petroleiros do Litoral de São Paulo apontam, em texto publicado no site oficial, o caso de Renato como exemplo da irresponsabilidade da

Petrobras ao lidar com a pandemia, já que apesar dos sinais claros de que estava ocorrendo um surto de COVID-19 na plataforma, não realizou testes nos trabalhadores que estavam embarcados no final da escala. Também manteve a plataforma funcionando normalmente.
"Todos esses trabalhadores (mortos por COVID-19) foram vítimas da ineficiência dos gestores da Petrobrás, negacionistas que são, assim como o governo federal que comanda a empresa, que apenas tomam medidas que refletem no aumento de lucro dos acionistas, deixando os trabalhadores à própria sorte."

 A Petrobrás regista oficialmente 45 mortes de petroleiros próprios vítimas da doença em suas unidades. (30 casos em teletrabalho, 14 trabalhadores em regime presencial e um de férias).  O Sindipetro diz que esses números não incluem a morte de petroleiros terceirizados e que não refletem a realidade: "Somente no Litoral Paulista, foram nove mortes, entre próprios e terceirizados", informa o texto.

renato soares 2.jpg

Notícia & Notas de pesar

Nota de falecimento: Sindipetro PR e SC ; SindipetroLP