Pandemia

06 de julho de 2020

Tombo é maior entre informais e autônomos

Ipea divulga resultados de estudo sobre os efeitos da pandemia nos rendimentos do trabalho e o impacto do auxílio emergencial na sua Carta de Conjuntura 48

A pandemia tirou quase metade - 40% - da renda habitual de trabalhadores autônomos, ou “por conta própria”, o grupo mais duramente atingido pelas medidas de isolamento social. O segundo grupo mais atingido foram os empregadores, que tiveram uma queda na renda de 69%, porém mantiveram um valor médio mensal relativamente alto, de R$ 4 mil. Feito com base nos microdados da PNDAD Covid-19, o estudo mostra que o auxílio emergencial compensou em apenas 45% os impactos na massa salarial total. O estudo mostra ainda que cerca de 3,5 milhões de domicílios (5,2%) sobreviveram no

período apenas com os R$ 600,00 pagos pelo benefício. 

Considerando os setores, os mais duramente atingidos foram as artes, esportes e recreação, com uma redução de 55%; transporte de passageiros (57%), hospedagem (63%), serviços de alimentação (65%), atividades imobiliárias (70%), construção (71%) e serviço doméstico (74%). Os trabalhadores menos afetados encontram-se na administração pública (97%), indústria extrativa (92%), serviços de utilidade pública (93%), educação (92%), serviços financeiros (92%) e armazenamento, correios e serviços de entrega (91%).

Os trabalhadores por conta própria receberam efetivamente apenas 60% do que habitualmente recebiam, tendo seus rendimentos efetivos médios alcançado apenas R$ 1.092,12. Já os trabalhadores do setor privado sem carteira assinada receberam efetivamente 76% do habitual

 

Os empregadores também foram severamente atingidos, tendo recebido 69% do habitual, mas apresentado ainda um rendimento médio acima de R$ 4.000. 

 

Entretanto, os trabalhadores formais foram consideravelmente menos atingidos. Trabalhadores do setor privado com carteira receberam em média 92% do habitual, e os do setor público contratados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), 96%.

 

Entre militares e estatutários, a renda efetiva alcançou 98% da renda habitual, e mesmo entre os trabalhadores informais do setor público a renda efetiva foi 91% da habitual.

logotranspmini.gif

MÍDIAS

Organização

Associação Brasileira de Advogados e Advogadas Sindicais (ABRAS)

Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho (DIESAT)

Departamento de Direito do Trabalho e da Seguridade Social da Faculdade de Direito da USP

Produção executiva

Instituto Macuco (www.institutomacuco.com.br)