logotranspmini.gif

Artigo

26 de junho de 2020

REFLEXÕES NA PANDEMIA

‘A TRABALHADORA DOMÉSTICA TAMBÉM É UM SER HUMANO’: O direito a quarentena remunerada como novo privilégio social?

Louisa Acciari

pesquisadora de pós-doutorado do Departamento de Sociologia
Integrante do Núcleo de Estudos em Sexualidade e Gênero (Neseg)
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ, Brasil)

NOTAS

  1. Fonte disponível em: http://www.portaldoempreendedor.gov.br/estatisticas. Dados extraídos em 31 de março de 2020.

  2. Ver também vídeo pelo direito à quarentena remunerada disponível em: https://www.facebook.com/blogdabenedita/videos/553006258651925/UzpfSTY3Mzg2OTUwNToxMDE1NzMzMDUzNTQwNDUwNg/

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACCIARI, Louisa. “‘Foi difícil, mas sempre falo que nós somos guerreiras’: O movimento das

trabalhadoras domésticas entre a marginalidade e o empoderamento”. Mosaico, vol. 7, n. 11, pp. 125-

147, 2016.

 

ACCIARI, Louisa. Paradoxes of Subaltern Politics: Brazilian Domestic Workers’ Mobilisations to

Become Workers and Decolonise Labour. Tese (Doutorado em Estudos de Gênero) – London School

of Economics and Political Science, Londres, Inglaterra, 2018.

 

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: O novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

 

ASSUNÇÃO, Diana. A precarização tem rosto de mulher. São Paulo: Iskra, 2013.

 

BERNARDINO-COSTA, Joaze. Saberes subalternos e decolonialidade: Os sindicatos das trabalhadoras domésticas no Brasil. Brasília: Editora UnB, 2015.

 

BRITES, Jurema; PICANÇO, Felícia. “O emprego doméstico no Brasil em números, tensões e

contradições”. Revista Latinoamericana de Estudios del Trabajo, vol. 19, n. 31, pp. 131-158, 2014.

 

FENATRAD.Cuida de quem te cuida! Proteja sua trabalhadora doméstica”. Federação Nacional das

Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad), Notíticas gerais, 18 de março de 2020, disponível (on-line)

em: https://fenatrad.org.br/2020/03/18/cuida-de-quem-te-cuida-proteja-sua-trabalhadoradomestica/.

________. “Veja Vídeo: Creuza Oliveira faz apelo aos empregadores para a liberação das trabalhadoras domésticas durante a pandemia”. Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad), Notíticas gerais, 25 de março de 2020, disponível (on-line) em:

https://fenatrad.org.br/2020/03/25/veja-video-creuza-oliveira-faz-apelo-aos-empregadores-para-aliberacao-das-trabalhadoras-domesticas-durante-a-pandemia/.

 

GONZALEZ, Lélia. “Racismo e sexismo na cultura brasileira”. Revista Ciências Sociais Hoje, n. 2, pp.

223-244, 1984.

 

GUEDES, Graciele Pereira; MONÇORES, Elisa. “Empregadas domésticas e cuidadoras profissionais: Compartilhando as fronteiras da precariedade”. Revista Brasileira de Estudos de População, n. 36, pp. 1-24, 2019.

 

GUIMARÃES, Nadya Araujo. “Casa e mercado, amor e trabalho, natureza e profissão: Controvérsias sobre o processo de mercantilização do trabalho de cuidado”. Cadernos Pagu, n. 46, p. 59-77, 2016.

 

HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya Araujo. Cuidado e cuidadoras: As várias faces do trabalho do

‘care’. São Paulo: Atla, 2012.

 

HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa. Gênero e trabalho no Brasil e na França: Perspectivas

internacionais. São Paulo: Boitempo, 2016.

 

KREIN, José Dari.O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva. Consequências da reforma trabalhista”. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, vol. 30, n. 1, pp. 77-104, 2018.

MBEMBE, Achille. “Necropolitics”. Public Culture, vol. 15, n. 1, pp. 11-40, 2003.

NICOLI, Pedro Agusto Gravatá; VIEIRA, Regina Stela Corrêa. “Diaristas domésticas: Direitos diante da crise do coronavírus”. Justificando, Artigos, 24 de março de 2020. Disponível (on-line) em:

https://www.justificando.com/2020/03/24/diaristas-domesticas-direitos-diante-a-crise-do-coronavirus/

SABINO, André Monici; ABÍLIO, Ludmila Costhek. “Uberização: O empreendedorismo como novo

nome para a exploração”. Revista Jurídica Trabalho e Desenvolvimento Humano, Campinas, vol.

2, n. 2, pp. 109-135, 2019.

 

SORJ, Bila. “Socialização do cuidado e desigualdades sociais”. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, vol. 26, n. 1, pp. 123-128, 2014.Fontes da imprensa BRASIL 247. “Ícone da nova luta de classes, banqueiro diz gostar da babá”. Brasil 247, Regionais, Sudeste, 14 de março de 2016. Disponível (on-line) em: https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/iconeda-nova-luta-de-classes-banqueiro-diz-gostar-da-baba

 

MIRANDA, Eduardo. “Favelas do Rio sofrem com falta d’água e população fica mais vulnerável a

coronavírus”. Brasil de Fato, Saúde, Comunidades, 23 de março de 2020. Disponível (on-line) em:

https://www.brasildefato.com.br/2020/03/23/favelas-do-rio-sofrem-com-falta-d-agua-e-populacaofica-

mais-vulneravel-a-coronavirus

 

NUNES, Aurélio. “Morte por coronavírus em Miguel Pereira ressalta riscos e provoca debates”. Reuters Brasil, Notícias Principais, 24 de março de 2020. Disponível (on-line) em:

https://br.reuters.com/article/idBRKBN21B2S3-OBRTP

 

SLATTERY, Gram; GAIER, Rodrigo Viga. “Domésticas defendem direito à quarentena remunerada e

dividem patrões”. UOL Notícias, Coronavírus, 29 de março de 2020. Disponível (on-line) em:

https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/03/29/domesticas-defendemdireito-

a-quarentena-remunerada-e-dividem-patroes.htm?cmpid=copiaecola&cmpid=copiaecola

 

VENTURA, Manoel. “Guedes diz que dólar alto é bom: ‘empregada doméstica estava indo para Disney, uma festa danada’”. O Globo, Economia, 12 de fevereiro de 2020. Disponível (on-line) em: https://oglobo.globo.com/economia/guedes-diz-que-dolar-alto-bom-empregada-domestica-estavaindo-para-disney-uma-festa-danada-24245365