LOGOANIMEFINE.gif

DOSSIÊ COVID NO TRABALHO

logo grande 300 pb.jpg

COVID-19 COMO UMA DOENÇA RELACIONADA AO TRABALHO

   A COVID-19 pode ou não ser uma doença relacionada ao trabalho? Essa questão gera grande polêmica entre diferentes segmentos da sociedade, que por sua vez se depara com situações de extensa contaminação dos que atuam nos serviços de saúde e cemitérios, ou ainda entre os motoristas, pessoal da limpeza e alimentação, nas atividades classificadas como essenciais, entre aquelas que foram mantidas durante a pandemia.

   A favor do reconhecimento do caráter ocupacional da COVID-19 há vários argumentos, entre os quais o caráter comunitário da doença e a grande proporção de assintomáticos, que implicam o aumento de risco de exposição ao vírus sempre que qualquer pessoa  entra em contato com outra, que esteja contaminada, mesmo que sem sintomas.

   A escassez de informações sobre como as pessoas trabalharam durante a pandemia nos motivou a pensar em um projeto para dar visibilidade aos

diferentes cenários de trabalho no mercado formal e informal.

  O projeto COVID-19 COMO UMA DOENÇA RELACIONADA AO TRABALHO vai produzir um dossiê sobre a doença nas diversas atividades de trabalho, por meio de informações e percepções de pessoas que trabalharam e trabalham durante a pandemia fora de domicílio ou dentro de suas casas em companhia de colegas. Serão fontes de informação os trabalhadores nessas condições ou outras pessoas que possam retratar sua situação, no caso de impossibilidade de participação direta dos envolvidos.

   Utilizaremos, para isso, um formulário a ser respondido pelo celular ou por computador, em google forms e entrevistas com algumas das pessoas que responderem às questões colocadas. Paralelamente ao desenrolar da pesquisa, dados parciais e matérias jornalísticas serão produzidos para dar visibilidade aos diversos aspectos que envolvem a covid-19, as condições e a

organização de trabalho neste período de pandemia, as condutas das empresas nos cuidados de seus ambientes e nos casos de adoecimento de seus trabalhadores, as necessidades pelas quais estes passam para que ajudas de diferentes naturezas possam ser oferecidas.

 Optou-se preferencialmente pela divulgação virtual dos formulários pelos sindicatos, associações de classe e movimentos sociais, entre outras instituições ou entidades, mas todas as informações que chegarem serão devidamente consideradas, independentemente da intermediação dos parceiros.

  A lista de adesão das entidades e movimentos parceiros será constantemente atualizada, assim como as páginas com relatos e pequenas biografias de trabalhadores afetados pela doença.

Nosso projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos pelo parecer número 4.290.745.

*acesso exclusivo para parceiros

OS PESQUISADORES

Cézar Akiyoshi Saito

Cientista da computação/ Universidade Federal do Pará (UFPA), pesquisador em Saúde do Trabalhador, com doutorado em Neurociências e Biologia Celular/UFPA

Cristiane Queiroz Barbeiro Lima

Química, especialista em Ergonomia de sistemas de produção, com mestrado em Engenharia/Poli-USP, tecnologista aposentada da Fundacentro, pesquisadora em Saúde do Trabalhador

Daniela Sanches Tavares

Psicóloga, com mestrado em Saúde Pública/FSP-USP, pesquisadora em Saúde do Trabalhador

Ildeberto Muniz de Almeida

Professor assistente da Faculdade de Medicina de Botucatu/ UNESP

Um dos criadores do portal Fórum Acidentes do Trabalho

José Carlos do Carmo

Médico pela Faculdade de Medicina -USP, especialista em medicina do trabalho, com mestrado em Saúde Pública/Faculdade de Saúde Pública-USP

Maria Maeno

Médica pela Faculdade de Medicina-USP, pesquisadora em Saúde do Trabalhador, com doutorado em Saúde Pública/Faculdade de Saúde Pública-USP

Rodolfo Andrade de Gouveia Vilela

Professor titular da Faculdade de Saúde Pública da USP

OS PARCEIROS