Pandemia

27 de maio de 2020

ESTUDO EPICOVID19 - Fase nacional

Situação preocupante no Norte

LILIAN PRIMI

A região Norte do país é, em todos os aspectos, a mais gravemente afetada pela pandemia de coronavirus no país. A região tem 11 das 15 cidades com as maiores prevalências encontradas na primeira fase de testes do estudo EPICOVI19, liderado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). “É o cenário epidemiológico mais preocupante do Brasil, diz Pedro Hallal, reitor da UFPel e coordenador do estudo. A cidade com a maior prevalência estimada é Breves, no sudoeste na Ilha de Marajó, no Pará, onde 24,8% dos 103 mil habitantes da cidade (25 mil) estão ou já estiveram infectados; seguida de Tefé, uma pequena cidade do Amazonas, onde 19,6% dos cerca de 60 mil habitantes têm anticorpos para o coronavírus.

A falha de comunicação do Ministério da Saúde, que não notificou as autoridades locais sobre a coleta (Leia aqui e aqui), reduziu a amostra de 133 para 90 cidades nesta primeira fase, o que dificulta as análises. Apesar disso, os pesquisadores confirmam, novamente, a grande subnotificação no país – de sete vezes em média - e alertam para a possibilidade da prevalência maior na região Norte estar ligada à vulnerabilidade das populações indígenas. “Estamos começando a fazer as análises por raça e parece que tem uma prevalência muito mais alta na população indígena”, disse Pedro na coletiva sobre a primeira fase. Ele promete o relatório final, com as análises detalhadas de todas as variáveis incluídas no estudo para a próxima semana.

São Paulo, com 3,1% de sua população intectada, e Rio de Janeiro, com 2,2%, as mais populosas do país, são as últimas da lista das 15 piores. Os resultados de São Paulo nesse estudo mostram que a população contaminada é de 380 mil moradores, número maior do que o total de casos no Brasil apontado pelas estatísticas na segunda-feira (25/05). Os pesquisadores ressaltam as diferenças entre as regiões do país. “Temos várias epidemias no País”, dizem.

Os pesquisadores concluíram 25.025 entrevistas e testes para o coronavírus.

Em 90 cidades, incluindo
21 das 27 capitais,

foi possível
testar pelo menos 200 pessoas selecionadas por sorteio.

FOTOS: Alex Ribeiro/Ag. Pará

Pedro Hallal, reitor da UFPel

Aprendendo
com as estrelas

MAIOR PREVALÊNCIA: Breves, na Marajó, tem 1 em cada 4 moradores infectados

O estudo também traz dados sobre distanciamento, levantados por meio de resposta ao questionário aplicado pelos pesquisadores. Os resultados mostram uma relação direta com os níveis de prevalência: Nos estados do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Santa Catarina, mais de 65% dos entrevistados relataram cumprir as medidas de distanciamento

social. Em Alagoas, no Maranhão e em Roraima, menos da metade dos entrevistados relatou cumprir tais medidas.

LEIA MAIS: Sobre o Projeto Piloto no RS, e sobre a Fase Nacional do Estudo

logotranspmini.gif

ARQUIVO DE NOTÍCIAS

MÍDIAS

27/março/2020

25/março/2020

25/março/2020

25/março/2020

25/março/2020

09/março/2020

03/março/2020
02/março/2020
21/fevereiro/2020
7/fevereiro/2020
27/janeiro/2020
29/dezembro/2019
11/dezembro/2019

Organização

Associação Brasileira de Advogados e Advogadas Sindicais (ABRAS)

Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho (DIESAT)

Departamento de Direito do Trabalho e da Seguridade Social da Faculdade de Direito da USP

Produção executiva

Instituto Macuco (www.institutomacuco.com.br)