MOVIMENTO SINDICAL

TRABALHO, SINDICATOS E PROTEÇÃO SOCIAL NA PANDEMIA DE 2020:
NOTAS SOBRE O CASO BRASILEIRO

Ricardo Framil Filho
Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo

framilfilho@gmail.com
Leonardo Mello e Silva
Departamento de Sociologia da Universidadede São Paulo

leogmsilva@hotmail.com

NOTAS

1

O Brasil assinou, mas jamais ratificou a Convenção 87 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que versa sobre a Liberdade Sindical e a Proteção ao Direito de Sindicalização.

2

A Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) de 2018, a última disponibilizada pelo Ministério da Economia, mostra que 69% dos vínculos ativos estavam concentrados nas faixas salariais até 3 salários mínimos. No caso do Benefício Emergencial, cerca de 80% dos vínculos cobertos estão nessa faixa (ver Tabela 6).

 

3

Tais perdas vão incidir no componente indireto do salário e é fonte também de subtração fiscal por parte do Estado, o que afeta, de um ponto-de vista macroestrutural, a política de reprodução da força de trabalho como um todo. Não por outro motivo, apenas os sindicatos mais organizados e com assessoria mais preparada têm condições de tematizar esse tipo de questão em suas pautas de negociação, mas elas ficam em segundo plano quando a prioridade é manter o poder de compra via o componente nominal do salário.

 

REFERÊNCIAS

 

AGÊNCIA CBIC. 2020. Impacto da pandemia na construção civil é maior em mercado informal. Disponível em: https://cbic.org.br/impacto-dapandemia-na-construcao-civil-e-maior-em-mercado-informal. Acesso em: 07/07/2020.

 

AGÊNCIA SENADO. 2020. Na comissão da Covid-19, Paulo Guedes confirma extensão do auxílio emergencial. Disponível em: https://www12. senado.leg.br/noticias/materias/2020/06/30/na-comissao-da-covid-19-paulo-guedes-confirma-extensao-do-auxilio-emergencial. Acesso em: 07/07/2020.

 

ALMEIDA, G. R. 2007. O governo Lula, o Fórum Nacional do Trabalho e a reforma sindical. Revista Katálysis, 10(1), p. 54–64. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-49802007000100007

 

BOLLE, M. 2020. A Renda Básica Emergencial. Época. Disponível em: https://epoca.globo.com/monica-de-bolle/a-renda-basica-emergencial-24346942. Acesso em: 07/07/2020.

 

CAMPOS, A.G. 2013. Setenta anos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). In: KREIN, J. D. et al. (ORGS.). Regulação do trabalho e instituições públicas. São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo, p. 73–85.

 

CARDOSO, A. M. 2019. A Construção da Sociedade do Trabalho no Brasil. Uma investigação sobre a persistência secular das desigualdades. Rio de Janeiro: Amazon, 487 p.

 

CARDOSO, A. M. 2003. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo, SP: Boitempo Editorial, 327 p.

 

CASALECCHI, A. 2020. Cenários para a despesa com o benefício emergencial a trabalhadores formais (MP 936/2020). Nota Técnica 44. Instituição Fiscal Independente (IFI). Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/574054/NT44.pdf. Acesso em: 07/07/2020.

 

CASTELLS, M. 1999. A Sociedade em Rede. A Era da Informação Economia, Sociedade e Cultura Vol I. São Paulo: Paz e Terra, 630p.

CUT, 2020. Plataforma Emergencial Em Defesa da Vida! Trabalho e Renda, Saúde, Soberania e Segurança Alimentar, Moradia. Disponível em:  https://admin.cut.org.br/system/uploads/ck/AF_Publica%20Plataforma%20Emergencial_TX_PS.pdf. Acesso em: 07/07/2020.

DIEESE. 2020. Acordos negociados pelas entidades sindicais para enfrentar a pandemia do coronavírus - Covid 19 (atualização dos Estudos e Pesquisas 91). Disponível em: https://www.dieese.org.br/estudosepesquisas/2020/estPesq92AcordosCovidAtualizacao.html. Acesso em: 07/07/2020.

FERNANDES, A. 2020. Em estudo por Paulo Guedes, Carteira Verde Amarela simplifica a contratação. O Estado de S. Paulo. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,em-estudopor-paulo-guedes-carteira-verde-amarela-simplifica-a-contratacao,70003352560. Acesso em: 07/07/2020.

INDUSTRIALL. 2020. Brazil: collective agreements in response to Covid-19. Disponível em: http://www.industriall-union.org/brazil-collective-agreements-in-response-to-covid-19. Acesso em: 07/07/2020.

KREIN, J. D. 2018. O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva: consequências da reforma trabalhista. Tempo Social, 30(1), p. 77–104. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.138082

LADOSKY, M. H., RAMALHO, J. R., RODRIGUES, I. J. 2014. A questão trabalhista e os desafios da ação sindical nos anos 2000. In: OLIVEIRA, R. V.; BRIDI, M. A.; FERRAZ, M. (ORGS.). O sindicalismo na era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares. Belo Horizonte: Fino Traço, p. 61–85.

MOODY, K. 1997. Workers in a Lean World: Unions in the International Economy. London: Verso, 342p.

OLIVEIRA, R. V. 2018. Brazilian Labour Reform in Historical Perspective. Global Labour Journal, 9(3), p. 319–338. https://doi.org/10.15173/glj.v9i3.3480

PORTAL STF, 2020. Redução salarial por acordo individual só terá efeito se validada por sindicatos de trabalhadores. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/noticias/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=440927&ori=1%26%238203%3B. Acesso em: 07/07/2020.

SARDINHA, E. 2020. Guedes diz que nunca cogitou suspensão de salário prevista em MP. Congresso em Foco. Disponível em: https://congressoemfoco.uol.com.br/economia/guedes-diz-que-nunca-cogitou-suspensao-de-salario-prevista-em-mp. Acesso em: 07/07/2020.

SEIDMAN, G. 2011. Social Movement Unionism: From Description to Exhortation. South African Review of Sociology, 42(3), p. 94–102. https://doi.org/10.1080/21528586.2011.621241

SILVER, B. J. 2005. Forças do trabalho: movimentos de trabalhadores e globalização desde 1870. São Paulo, SP: Boitempo Editorial, 230 p.

TEMÓTEO, A. 2020. Governo quer que empresa tenha até 50% dos empregados com contrato por hora. UOL. Disponível em: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/08/13/hora-trabalho-contrato-verde-amarelo-governo-empresa-patrao-empregado.htm. Acesso em: 13/08/2020.

THE ECONOMIST. 2020. Trade unions are back. Disponível em: http://www.economist.com/britain/2020/05/16/trade-unions-are-back. Acesso em: 07/07/2020.

UNICAB. 2019. Carta compromisso às/aos Deputadas/os Federais aliados da luta dos/as trabalhadores/as ambulantes, camelôs e feirantes do Brasil. Disponível em: https://escriba.camara.leg.br/escriba-servicosweb/obterAquivoItem/7724. Acesso em: 07/07/2020.

VAN DER LINDEN, M. 2016. Global Labour: A Not-so-grand Finale and Perhaps a new Beginning. Global Labour Journal, 7(2), p. 201–210. https://doi.org/10.15173/glj.v7i2.2941

VISSER, J. 2019. Trade Unions in the Balance: ILO ACTRAV Working Paper. Geneva, Switzerland: ILO, 84 p.

Submetido: 11/07/2020 - Aceite: 16/09/2020